sexta-feira, 30 de abril de 2010

AQUELE QUE SERVE NO MEIO

Atos 6. 1-6

A Bíblia sempre destacou a importância daqueles que estiveram ao lado dos líderes, dando ajuda, apoio, orientação, a estes chamados de ajudadores. Como por exemplo, os 70 escolhidos por Deus para auxiliar Moisés na condução do povo à Terra Prometida, ou ainda os 300 de Gideão, o auxiliar de Elias, que veio também a ser um grande profeta, Eliseu, e ainda os sete escolhidos ara auxiliarem os Apóstolos.
Estes últimos chamados “Diáconos, aqueles que servem no meio”. Aliás, a palavra diácono é similar a palavra escravo na Bíblia, escravo é aquele que serve por obrigação, não tem escolha, diácono é aquele que serve por amor ao Senhor, decidiu servir. Hoje somos testemunhas destas pessoas que agora são consagradas ao diaconato. Diante destas testemunhas ficam algumas questões que deviriam ser respondidas.

1 – Porque assumir o diaconato?
Para responder a estas questões destacarei três “M” e um “S”, o primeiro “M” é o Motivo.
Talvez alguns pensem que ser diácono é ter uma posição de destaque na igreja, para alguns este é o motivo, uma posição abaixo do pastor, ter status. Lamento dizer que estes não são motivos nobres, veja o que diz a Palavra em Mateus 20. 26-27: “todo aquele que quiser entre vós fazer-se grande seja vosso serviçal; e, qualquer que entre vós quiser ser o primeiro, seja vosso servo”.
Mas o verdadeiro motivo deve ser necessidade, vemos em Atos 6. 1-3 três grandes necessidades, primeiro há a necessidade das pessoas, neste texto a necessidade das viúvas da igreja, há pessoas ao redor que carecem de auxílio e precisam de alguém que veja suas necessidades.
Outra necessidade que precisa ser atendida é a do pastor da igreja, “não é razoável que nós deixemos a Palavra de Deus”. E a terceira e maior de todas é a necessidade da Obra do Senhor, “este importante negócio”. Diácono é servo de Cristo, são aqueles poucos trabalhadores da Grande Seara.

2 – O que devo fazer como diácono?
A esta respondo com o segundo “M”, a Missão.
Vimos que deve-se assumir o diaconato pelas reais necessidades da igreja, mas vemos diáconos que não sabem qual sua real missão. Não se pode viver sem missão, missão é o que dá sentido. Ser diácono não é apenas botar uma plaquetinha no peito escrita “DIÁCONO” e ficar na porta da igreja, ou pelos corredores fazendo aquela cara de “polícia da igreja”, ou então servia a Ceia do Senhor no primeiro domingo. Não! Ser diácono é mais que isso!
Entendendo os motivos fica fácil conhecer a missão, ser diácono é auxiliar o ministério Pastoral, para que este não fique sobrecarregado de atividades e possa, com oração e aplicação, cuidar do ensino da Palavra, das ovelhas mais sofridas, entre outras coisas.
Ser diácono é coordenar a Obra Social da igreja, esta, que creio ser a obra mais importante da igreja, depois da pregação do Evangelho, tem sido bastante negligenciada, porque o corpo diaconal não entende que esta obra é sua, desde o princípio. Não se pode entender que em uma igreja haja pessoas passando necessidade sem que ninguém o assista. É missão da igreja assistir os necessitados, é missão dos diáconos, mobilizar a igreja nesta direção, identificar os necessitados e levar a eles o auxílio.
Ser diácono é também apoiar a Liderança da igreja em suas necessidades e carências. Faltou líder em algum ministério? Temos um diácono que possa apoiar o trabalho, procurar, apoiar e preparar o novo líder. Ou mesmo ajudar os líderes existentes carregando com eles suas cargas.

3 – Como devo proceder no diaconato?
Agora vem a questão de como você deve encarar a missão. Basta compreender o valor do terceiro “M”, Ministério.
Diaconato é um Ministério e deve ser encarado como tal. Talvez você esteja assumindo o diaconato pensando em exercê-lo nas horas vagas, nas sobras de tempo. Errado! O seu ministério é a sua prioridade, alguém tem que fazer – Você!
Outra questão relacionada ao ministério é que ele deve receber investimento, treinamento, capacitação, orientação pastoral, oração, estudo da Palavra... Não pede ser alguém que acha que sabe tudo, mas precisa saber que precisa...
Por fim deve viver o diaconato, não deve ser diácono de aparência, mas de essência, ser como diz a Palavra, “Sim, sim; não, não, o que passar disso é de procedência maligna”.

4 – O que vou ganhar com isso?
Dito os três “M” segue o “S”. O Salário.
Pastores recebem salário, alguns ministérios recebem salário, e o diácono? Este é aquele que serve por escolha própria, por amor, este é o salário do diácono, o amor à obra, o amor à Deus. Não deve esperar agrado, elogios, tapinhas nas costas ou qualquer recompensa aqui nesta terra. Mas no fim aquela maravilhosa palavra do Mestre: “Muito bem, servo bom e fiel, no pouco foste fiel, no muito te colocarei, entra no gozo do teu Senhor”, Mateus 25. 21.

Diácono, aquele que serve de bom grado por um motivo nobre, atender necessidades, que sabe para que foi designado, que valoriza seu ministério e recebe com gratidão o que lhe foi confiado.

Que Deus o(a) abençoe no Ministério Diaconal.
(Mensagem pregada no dia 17/04/2010 na consagração de novos diáconos da Primeira Igreja Batista de Curicica)

Pastor Tito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário