quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Qual a condição das pessoas depois que morrem?


Esta é a resposta à terceira pergunta da Aline:
Antes de considerar a condição das pessoas após a morte é necessário considerar o conceito de morte. O homem foi criado para viver, na presença de Deus, aliás, a presença de Deus é vida, João 14. 6, "Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim."  (João 14 : 6)
Na verdade há dois tipos de morte, a morte física e a espiritual. Considerando que o homem foi criado para viver, a morte é tão somente conseqüência da escolha feita pelo homem ao rebelar-se contra a Palavra de Deus. Gênesis 2. 17  “Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás”.
O conceito de morte expressa a separação, a física: separação entre a alma e o corpo, e espiritual a separação entre o homem e Deus, Gênesis 2. 17(não farei um trabalho exegético aqui, mas este texto expressa os dois tipos de morte), Romanos 3. 23, “Porque todos pecaram e destituídos estão da Glória de Deus”, e, ainda Mateus 25. 32 “E todas as nações serão reunidas diante dele, e apartará uns dos outros, como o pastor aparta dos bodes as ovelhas”.
A primeira coisa a se esclarecer em relação à morte é que ela só ocorre fisicamente uma vez: "E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo,"  (Hebreus 9 : 27), biblicamente falando não haverá sucessivas mortes e vidas (reencarnação), a Bíblia deixa claro que a vida é uma só, é uma oportunidade única do ser humano encontrar a Vida(João 5. 24).
Outra coisa a se considerar é o conceito de sofrimento após a morte, o que chamamos de inferno. Jesus, a Palavra Viva nos deixou conceitos claros a respeito dessa condição, na qual estarão todos os que rejeitam sua Palavra. "Ali haverá choro e ranger de dentes, quando virdes Abraão, e Isaque, e Jacó, e todos os profetas no reino de Deus, e vós lançados fora."  (Lucas 13 : 28)
Um texto em que Jesus esclarece a condição do homem após a morte é o de Lucas 16. 19-31, que costumeiramente chamamos “Parábola do Rico e Lázaro” e que em momento algum Jesus chama de parábola, justamente por expressar a condição real do homem após a morte.
Já sabemos que a Salvação é resultado da misericórdia Divina, por isso o texto diz: “E aconteceu que o mendigo morreu, e foi levado pelos anjos para o seio de Abraão” (v. 22), aquele que alcança a misericórdia do Senhor, é consolado nos braços do Senhor, representado aqui por Abraão. Veja também Apocalipse 7. 9-17.
Quanto ao que rejeita sua misericórdia é essa a sua condição: "E, clamando, disse: Pai Abraão, tem misericórdia de mim, e manda a Lázaro, que molhe na água a ponta do seu dedo e me refresque a língua, porque estou atormentado nesta chama."  (Lucas 16 : 24), ver também Mateus 8: 12, 13: 42, 50; 22: 13; 24: 51; 25: 30.
Não há meios de fugir desta condição nem dela ser aliviado: "E, além disso, está posto um grande abismo entre nós e vós, de sorte que os que quisessem passar daqui para vós não poderiam, nem tampouco os de lá passar para cá."  (Lucas 16 : 26), e nesta condição ficarão até presenciarem o julgamento final: Mateus 35: 31-46.

Pr. Tito

domingo, 20 de setembro de 2009

Perguntas da Aline


Aline é uma nova decidida que batizei recentemente e que está empenhada em fazer a vontade de Deus e levar o Evangelho às pessoas que Deus tem colocado ao seu redor, como não estou mais pastoreando a  sua igreja ela me enviou algumas perguntas para auxiliá-la no seu ministério de evangelização.
Suas duas primeiras perguntas são as seguintes:

1 – O que determina se uma pessoa vai ser salva? São as boas obras que ela faz nessa vida?

2 – O que preciso fazer para ser salva?

A resposta abaixo responde às duas perguntas:

"Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie." (Efésios 2 : 8-9)


A Salvação é resultado da Graça Divina e Graça é favor imerecido. Para entender bem a questão da falta de mérito em relação à Salvação é preciso entender (e crer) que Deus é Santo, sua santidade é por nós inimaginável, mas é exigida por Ele a quem o segue:

"Portanto santificai-vos, e sede santos, pois eu sou o SENHOR vosso Deus." (Levítico 20:7)

"Mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver;" (I Pedro 1:15)

O problema é que o pecado nos impede de nos aproximar de Deus, menos ainda de alcançar o nível de santidade que nos é exigido:

"Desviaram-se todos e juntamente se fizeram imundos: não há quem faça o bem, não há sequer um." (Salmos 14 : 3)

"Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus;" (Romanos 3 : 23)

Dada essa condição não há nada que o homem faça que o leve à salvação, nem mesmo as boas obras, Efésios 2. 9, mas, como o amor de Deus pela humanidade também é imenso, ver João 3. 16, aprouve a Ele fazer tudo o que seja necessário para que fôssemos salvos:

"Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna." (João 3 : 16)

"Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor." (Romanos 6 : 23)

Ao homem basta crer, não há nada além disso que façamos que tenha influência em nossa salvação, ver Efésios 2. 8-10, "E eles disseram: Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa." (Atos 16:31), "Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida." (João 5 : 24)

Em breve estarei respondendo outras perguntas que, com certeza, será de grande auxílio para outras pessoas além da Aline, que Deus abençoe a sua vida.

Pastor Tito

domingo, 13 de setembro de 2009

Babel e Pentecostes

“E era toda a terra de uma mesma língua e de uma mesma fala” Gênesis 11. 1.
Hoje em dia faz-se tata confusão por causa do Pentecostes que chego a duvidar da presença do Espírito Santo em certos grupos. A confusão a respeito de Atos 2 é imensa. O Pentecostes é um fato simples, maravilhoso e singular. É o cumprimento da promessa de Cristo: “não vos deixarei órgãos”, “falarão novas línguas”.
Não consigo ler Atos 2 sem me reportar a Gênesis 11. “Ora, em toda a terra havia apenas uma linguagem e um só modo de falar”(11. 1 ARA). Uma mesma língua e uma mesma fala! Não havia sotaques nem regionalismos! Mas havia rebeldia e desobediência. O resultado nós sabemos, confusão e dispersão...
Pentecostes é o oposto de Babel. Em Babel a ordem era: “Enchei a terra” (Gn 9. 1), mas a resposta foi: “edifiquemos nós uma cidade (…) para que não sejamos espalhados sobre a face de toda a terra”(Gn 11. 4). O resultado foi a confusão de línguas.
Em Pentecostes este era o mandado: “ficai, porém, na cidade de Jerusalém, até que do alto sejais revestidos de poder”(Lc 24. 49). Não era uma ordem fácil de obedecer. Voltar para onde sacrificaram o Mestre, para o meio da confusão e da revolta, da possibilidade de perseguição e até de martírio. Mas eles obedeceram e “então voltaram para Jerusalém”(At 1. 12) e esperaram “unânimes em oração e súplicas”(v. 14).
O resultado foi o singular evento de Pentecostes. O Espírito veio sobre a igreja, não somos órfãos! Ele está conosco! E “eles começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem”(At 2. 4). O Espírito Santo concedeu, não o que eles houvessem pedido nem imaginado, mas o que era necessário.
“E cada um os ouvia falar na sua própria língua”(v. 6b), o oposto de Babel. A língua que foi instrumento para dispersão dos povos, agora é para trazer de volta ao Eterno. O Espírito Santo dispensa intérpretes, aliás quando se fala das grandezas de Deus(v. 11) cada um entende, ou pelo Espírito, e assim glorifica a Deus, ou pelo entendimento próprio e mesquinho(v. 13).
O Espírito nos leva a falar uma outra língua, nenhuma das faladas em Babel, ou qualquer das variações posteriores, nenhuma língua ininteligível que necessite interpretação, pois Ele não necessita de intérpretes, Ele nos leva a falar a língua universal do Amor. “Ainda que eu falasse a língua dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine”(1 Co 13. 1). Babel, confusão e desobediência, Pentecostes, Graça, unidade e glória ao Deus Eterno.
Pastor Tito.

sábado, 29 de agosto de 2009

EU FIZ O QUE NÃO QUERIA

Certa vez um amigo me perguntou, “você tem certeza que quer ser pastor?” É claro que na ocasião era ainda seminarista, cheio de sonhos e esperanças em relação à igreja de Cristo, transbordando de ideais edificadores para o povo de Deus. Respirando o desejo pela pregação do genuíno Evangelho, o poder de Deus para a salvação do mundo.
Me recordo que este meu amigo, na ocasião o meu pastor, passava pelas dificuldades do ministério pastoral, dificuldades estas que são comuns a todo obreiro. Penso que, se o Mestre passou por tantas angústias em meu favor (e de todo aquele que crê), por que nós, meros mortais, simples instrumentos em Suas Majestosas Mãos, não haveremos de passar por nossas tribulações?
Olhei para ele e, quase que instantaneamente, respondi: “não é uma questão de vontade, mas de chamado”. Eu mesmo me surpreendi, não por ele não ter resposta a dar para a minha afirmação, mas admirei-me dela, da resposta. Fato surpreendente mesmo é que seja a mais pura verdade. Ele nos chamou para além de pregar o Evangelho, sofrê-lo, vivê-lo e até morrer por ele.
Ser ministro da Palavra não é fazer a própria vontade, pois se agíssemos por ela, quantas decisões teriam sido diferentes, quantas escolhas não seriam as mesmas, nos favoreceríamos mais, pensaríamos em nossas famílias, em um futuro mais promissor, ou, até mesmo em uma profissão que nos trouxesse reconhecimento.
Ser pastor não é fazer a vontade da igreja, seguir a decisão mais encantadora, a que trás mais ibope, visto que nem sempre “a voz do povo é a voz de Deus”. Sabemos disso com inúmeros exemplos, a começar com o “crucificá-o”, passando pelas perseguições do século XVII, quando a massa unânime se arremetia sobre os huguenotes, até os nossos dias, quando se discute acaloradamente assuntos medíocres em nossas assembléias acaloradas, ao ponto de se deixarem “vacas sobre a mesa”.
O pastor é chamado para fazer a vontade de Deus, é a síntese do servo. Eu não fiz o que queria ao abraçar o ministério, eu fiz o que Deus planejou pra mim, portanto, como chamado que sou, só tenho uma opção, fazer a vontade do Soberano, daquele que “me chamou das trevas para a Sua maravilhosa Luz”, aceitando Sua primazia sobre a minha vida e meu ministério.
Eu não posso ditar o meu caminho, nem a igreja pode, nem as correntes modernas da mídia evangélica, somente o Senhor Jesus o pode, e assim continuarei, fazendo a Sua Soberana vontade.
"Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim." (Gálatas 2 : 20)

Pastor Tito Mendes.

sexta-feira, 31 de julho de 2009

TEM COISA QUE PEGA FEITO GRIPE

Ninguém quer ficar doente, por isso tomamos todos os cuidados possíveis para não pegarmos uma enfermidade... Quem dera isso fosse verdade, quem dera tomássemos todos os cuidados necessários para manter a saúde em dia.

A verdade é que somos muito descuidados com nossa saúde. Li outro dia que, na Idade Média, durante a ploriferação da peste negra, em quase todas as famílias haviam vítimas da doença, menos nas família judias. Sabe por quê? Porque os judeus sempre tiveram um cuidado extremo com a higiene. Várias recomendações dos textos sagrados, seguidos à risca por esse povo, são de cuidados com saúde e higiene.

Hoje passamos por uma epidemia da gripe suína, vemos que, como naqueles, e noutros tempos já passados na história da humanidade, bastam cuidados simples para se evitar o contágio pessoal. Geralmente pequenos gestos como o lavar as mãos, usar lenços de papel ao tossir (ao menos para não contaminar os outros), coisas assim.

Mas a gripe continua espalhando-se. Por causa da teimosia em persistir em velhos hábitos, atitudes insalubres que só prejudicam a saúde e ajudam a circulação do vírus, então, quando a enfermidade provoca graves conseqüências, então é hora de procurar o médico e culpar o Estado.

Interessante é que na vida espiritual a atitude não é diferente, a Palavra nos diz: "Sabemos que somos de Deus, e que todo o mundo está no maligno." (I João 5 : 19). Sabemos que o vírus do pecado circula livremente em nossas vidas, pois fomos contaminados por herança: "Portanto, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram." (Romanos 5 : 12).

Apesar disso temos deixado o remédio de lado (Isaías 59. 1-2), pouco temos usado do antídoto, "Santifica-os na tua verdade; a tua palavra é a verdade." (João 17 : 17). E o pecado é coisa que pega que nem gripe, basta se descuidar e pronto! Estamos infectados.

Não espere a gripe te pegar, arrependa-se do mal que tem feito, largue o pecado, confesse a Deus e restaure seu relacionamento com Ele: "Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça." (I João 1 : 9). Então encontrarás saúde"Porque com alegria saireis, e em paz sereis guiados; os montes e os outeiros romperão em cântico diante de vós, e todas as árvores do campo baterão palmas." (Isaías 55 : 12).

Pr. Tito Mendes

sábado, 25 de julho de 2009

Acusações


Toda vez que falamos antes de pensar pecamos. Porque quando assim procedemos fazemos segundo nossos julgamentos (Mateus 7. 1-2). E o que falamos fica registrado, gravado na memória dos que ouvem, gravado também em nossa consciência, e ela estará lá no dia do grande julgamento (“e abriram-se uns livros” – Daniel 7. 10; Apocalipse 20. 12).

Aliás, o que condena o homem não é o que se come, ou mesmo o que se houve ou vê, mas o que se processa no coração e acaba se expressando pelos lábios, "O que contamina o homem não é o que entra na boca, mas o que sai da boca, isso é o que contamina o homem." (Mateus 15. 11).

Desde o início de sua jornada aqui na terra até o momento de sua crucificação Jesus foi acusado de muitas coisas (Marcos 15. 3), ainda assim Ele prosseguiu, ora respondendo com sabedoria, ora calado, prosseguiu determinado em sua missão, até o fim, graças á Sua determinação hoje sou salvo. O seu firme propósito me alcançou.

Está você entre os que acusam? Que julgam? Que impetram sentenças destruidoras? (Lucas 15. 2; Mateus 9. 34) Tenha cuidado no que você diz, que sai de seus lábio e é ouvido por outros, isso torna maior o efeito e maior o julgamento (Provérbios 19. 9).

Está você entre os acusados? Sofre injúrias e difamações? “É leviano”, “é mentiroso”, “é preguiçoso”, “é carnal”, “não ora”, “não evangeliza”, “não ama”. Primeiro, saiba que Jesus sofreu acusações piores, até de ser possuído por belzebu Ele foi acusado. Levante a cabeça, prossiga firme no propósito que Ele, Jesus, planejou pra você, porque fazendo isso você abençoará muitas vidas.

E nunca se esqueça do que o Mestre diz em Apocalipse 21. 10, “Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei”, sabendo que “em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou. Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir, nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor” (Romanos 8. 37-39).

Que Deus te abençoe.

Pr. Tito

terça-feira, 3 de março de 2009

Rebeldes ou Filhos de Belial

Há dois tipos de desobediência, uma é aquela que transgride regras conhecidas e aceitas. Outra é aquela que não toma conhecimento das regras, trata-se como se elas não existissem ou fossem nulas.

Veja o povo de Israel, conhecedor do poder, da Palavra e da ação do Deus Todo-Poderoso, mas que viveu grandes momentos de crise de fidelidade. "Filho do homem, tu habitas no meio da casa rebelde, que tem olhos para ver e não vê, e tem ouvidos para ouvir e não ouve; porque eles são casa rebelde” (Ezequiel 12:2).

Estes eram chamados de rebeldes, pois conheciam as regras e o legislador, e, por opção decidiram seguí-las, também por opção resolveram quebrá-las. Este tipo de desobediência é o que se pode chamar de Rebeldia.

A outro tipo de desobediência pode-se fazer referência nos chamados “filhos de belial”. "Eram, porém, os filhos de Eli filhos de Belial; não conheciam ao SENHOR” (I Samuel 2:12). Os filhos de belial eram encontrados no meio do povo de Deus, mas não era povo de Deus, "Saíram de nós, mas não eram de nós; porque, se fossem de nós, ficariam conosco; mas isto é para que se manifestasse que não são todos de nós”.(I João 2 : 19). Eram pessoas que não se importavam com a Palavra, não se subjugavam a ela.

Uma outra palavra para especificar os “filhos de belial” é o termo “ímpio”, que significa: descrente, ou sem piedade, mas a palavra piedade relacionava-se à prática de vida cristã, por isso muitas vezes relacionada à misericórdia. Por isso o ímpio não é apenas um descrente ou infiel, mas alguém que não se subjuga a qualquer padrão moral, que desdenha a regra e desvaloriza a ética comum. Não transgride o que acredita, pois não acreditam numa regra superior, eles são sua própria regra.

Entende-se então por rebelde aquele que não está em conformidade com a lei, mas a conhece e, às vezes lhe demonstra temor. Ímpio ou “filho de belial” é aquele que subestima a lei, não a considera. A nós cabe atentar para a orientação da palavra: "Sabemos que somos de Deus, e que todo o mundo está no maligno."  (I João 5 : 19).

E você, que tipo de desobediência pratica? Rebeldia ou Impiedade?

 Pastor Tito Mendes

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

A origem da prática do Jejum

Em Marcos 2. 18-22 vemos um debate a respeito do jejum instigado pelos discípulos de João Batista e pelos fariseus onde Jesus expressa alguns esclarecimentos a respeito. Claro que esta não é uma primeira palavra, pois Jesus já havia abordado o assunto no Sermão da Montanha, mas há grande importância aqui no que tange a abordagem ritualística do tema.
Antes de entender o jejum como um ritual religioso é preciso entender sua origem e suas motivações, não irei buscar distante notas do assunto, antes me fixarei apenas no relato Bíblico. É importante que fique claro que o jejum não é uma exclusividade judaico-cristã, pois podem-se observar manifestações em outras culturas e religiões.
- As duas vias do jejum:
Dentro da cultura judaico-cristã a prática do jejum embrenhou-se por dois caminhos, ainda que algumas vezes não pareçam distintos, são bem definidos. Um é o caminho da prática ritualístico-legalista, via dos que entendem que religiosidade resume-se em práticas religiosas visíveis, fato condenado por Jesus em Mateus 6. 17ss, e por Paulo em Gálatas 4. 9-11.
Outro caminho é o da auto-disciplina espiritual, ou seja, é questão de abster-se com fins específicos, para a prática de atividades maiores, prioritárias, que exijam concentração de corpo e alma, como descrito por Paulo em 1 Coríntios 9. 24-27.
- Quando o jejum foi instituído:
Biblicamente o jejum foi instituído como prática nacional, um dia especial de oração, contrição, arrependimento e confissão de pecados, e meditação na grandeza da misericórdia do Senhor. É o Iom Kupur, ou Dia do Perdão, até hoje observado pelos judeus. Sua origem encontra-se em Levítico 16. 29-31 e textos relacionados.
- O primeiro a jejuar:
Lembrando que mantenho-me preso ao relato bíblico, a informação que temos como o primeiro a praticar o jejum encontra-se em Êxodo 34. 38, quando Moisés ficou quarenta dias e quarenta noites sem se alimentar no monte Sinai. É claro que há momentos que podemos presumir que alguns personagens bíblicos haveriam jejuado, como Abraão a caminho do monte Moriá, ou Ló em fuga de Sodoma, mas como relato direto Moisés teria sido o primeiro a jejuar.
- Razões motivadoras do jejum na antiguidade:
A primeira motivação que podemos enumerar é a busca pela santificação, ou o incentivo a ela. Os textos que regulam o Dia do perdão nos indicam com clareza esta prática antiga, da abstenção relacionada à busca da santificação do corpo e da alma.
A segunda motivação antiga é a dedicação exclusiva a Deus. Como Moisés no monte em seus quarenta dias, não exatamente de abstenção, mas de dedicação total a Deus em função da grandeza da obra que estava sendo colocada sobre seus ombros.
A terceira e bastante comum é abstinência motivada pela tristeza ou contrição. Acontecia quando um fato marcava a comunidade ou a pessoa e podiam ser, até mesmo convocados ou proclamados, para que se expressasse uma manifestação de lamento público (Jz 20. 26; 1 sm 20. 34; 1 Sm 31. 13).
É claro que hoje os diversos grupos cristãos existentes praticam o jejum das mais variadas formas e com múltiplas motivações, mas em sua origem bíblica eram estas as razões para a sua pratica, a santificação, a dedicação a Deus e o lamento, ou tristeza. No próximo texto abordaremos as motivações erradas para a prática deste e o que Deus espera que nos motive à prática do jejum.

Pastor Tito Mendes

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Manda Quem Pode, Eu Obedeço.

Conta-se a história de um menino que guardava o portão de acesso da propriedade de seu pai, quando Napoleão se aproximou com seus homens e queria cruzar aquela propriedade, porém, o menino o impedia.

Zangado, o Imperador gritou com ele:

“Menino, eu sou Napoleão Bonaparte, o Imperador. Abra este portão!”.

Muito educado, o menino tirou o chapéu, e perguntou? “O senhor vai querer que eu desobedeça meu pai? Este portão está fechado, aqui ninguém passa, conforme meu pai determinou!”.

Napoleão virou-se para seus generais e disse: “Dêem-me mil homens como este, e conquistarei o mundo todo”, e foi-se por outro caminho (www.ositedopregador.com.br).

Vivemos dias de desobediência, de arbitrariedade e de descrédito de autoridades. Fico pensando como pode ser desse jeito? Por que o homem torna-se a cada dia mais rebelde?

Como nos ensina a história acima, obediência começa no lar com a orientação e o exemplo dos pais. É lamentável que os pais de nossos dias não tenham tempo para ensinar a obediência e tem deixado essa tarefa para os professores dos maternais, jardins e CA. E, quando ensinam alguma coisa é da seguinte forma: “faça o que eu falo, mas não faça o que eu faço”.

Provérbios 22. 6 traz um valoroso ensinamento aos pais: "Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele." Não é uma recomendação ou conselho, é uma ordem, leia Deuteronômio 6. 5-7, veja que o amor a Deus está relacionado à obediência, e também ao ensino dela.

Eu obedeço a Deus, porque ele é o Único que pode me dar, não o que eu quero, mas o que necessito.

Eu obedeço a meus pais, porque eles foram responsáveis para que eu me tornasse hoje um homem digno e honesto, e também e principalmente porque também é mandamento Divino.

Eu obedeço a líderes seculares, patrões e chefes, para que em minha obediência possa ser exemplo e testemunho, também porque suas autoridades foram colocadas por Deus (Romanos 13. 1-5).

Obediência significa fidelidade e fidelidade implica em recompensa, "E o seu senhor lhe disse: Bem está, servo bom e fiel. Sobre o pouco foste fiel, sobre muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor”.(Mateus 25 : 21).

Por isso, manda quem pode e eu obedeço.

 

Pastor Tito (Pastoral da PIB em Floresta da Barra da Tijuca em 14/02/2009).

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Textos Complementares sobre o Jejum

Ainda faltafam três textos a respeito do jejum bíblico, seguem abaixo:
Êxodo 34. 28 – E esteve ali com o SENHOR quarenta dias e quarenta noites; não comeu pão, nem bebeu água, e escreveu nas tábuas as palavras da aliança, os dez mandamentos.
Mateus 9
14 Então, chegaram ao pé dele os discípulos de João, dizendo: Por que jejuamos nós e os fariseus muitas vezes, e os teus discípulos não jejuam?
15 E disse-lhes Jesus: Podem porventura andar tristes os filhos das bodas, enquanto o esposo está com eles? Dias, porém, virão, em que lhes será tirado o esposo, e então jejuarão.
Lucas 4. 2 – E quarenta dias foi tentado pelo diabo, e naqueles dias não comeu coisa alguma; e, terminados eles, teve fome.
Logo estarei postando as mensagens que tenho pregado sobre o jejum bíblico, que estes textos e as mensagens que seguirão possam abençoar a sua vida.

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Textos Sobre o Jejum Bíblico

Prometi postar aqui os textos bíblicos que falam a respeito do jejum, creio que aqui estão todos os textos bíblicos a respeito deste assunto no Velho e no Novo Testamento, caso você encontre algum que não esteja relacionado abaixo me escreva (tito66mendes@gmail.com):

Levítico 16:29 - "E isto vos será por estatuto perpétuo: no sétimo mês, aos dez do mês, afligireis as vossas almas, e nenhum trabalho fareis nem o natural nem o estrangeiro que peregrina entre vós." 

Levítico 16:31 - "É um sábado de descanso para vós, e afligireis as vossas almas; isto é estatuto perpétuo." 

Levítico 23:27 - "Mas aos dez dias desse sétimo mês será o dia da expiação; tereis santa convocação, e afligireis as vossas almas; e oferecereis oferta queimada ao SENHOR." 

Levítico 23:29 - "Porque toda a alma, que naquele mesmo dia se não afligir, será extirpada do seu povo." 

Levítico 23:32 - "Sábado de descanso vos será; então afligireis as vossas almas; aos nove do mês à tarde, de uma tarde a outra tarde, celebrareis o vosso sábado." 

Números 29:7 - "E no dia dez deste sétimo mês tereis santa convocação, e afligireis as vossas almas; nenhum trabalho fareis." 

Juízes 20:26 : Então todos os filhos de Israel, e todo o povo, subiram, e vieram a Betel e choraram, e estiveram ali perante o SENHOR, e jejuaram aquele dia até à tarde; e ofereceram holocaustos e ofertas pacíficas perante o SENHOR.

I Samuel 31:13 : E tomaram os seus ossos, e os sepultaram debaixo de um arvoredo, em Jabes, e jejuaram sete dias.

I Samuel 7:6 : E congregaram-se em Mizpá, e tiraram água, e a derramaram perante o SENHOR, e jejuaram aquele dia, e disseram ali: Pecamos contra o SENHOR. E julgava Samuel os filhos de Israel em Mizpá.

II Samuel 1:12 : E prantearam, e choraram, e jejuaram até à tarde por Saul, e por Jônatas, seu filho, e pelo povo do SENHOR, e pela casa de Israel, porque tinham caído à espada.

II Samuel 12 : 16 - "E buscou Davi a Deus pela criança; e jejuou Davi, e entrou, e passou a noite prostrado sobre a terra." 

II Samuel 12:18 - "E sucedeu que ao sétimo dia morreu a criança; e temiam os servos de Davi dizer-lhe que a criança estava morta, porque diziam: Eis que, sendo a criança ainda viva, lhe falávamos, porém não dava ouvidos à nossa voz; como, pois, lhe diremos que a criança está morta? Porque mais lhe afligiria." 

II Samuel 12:21 : E disseram-lhe seus servos: Que é isto que fizeste? Pela criança viva jejuaste e choraste; porém depois que morreu a criança te levantaste e comeste pão.

II Samuel 12:23 : Porém, agora que está morta, porque jejuaria eu? Poderei eu fazê-la voltar? Eu irei a ela, porém ela não voltará para mim.

I Reis 21:9 : E escreveu nas cartas, dizendo: Apregoai um jejum, e ponde Nabote diante do povo.

I Reis 21:12 : Apregoaram um jejum, e puseram a Nabote diante do povo.

I Reis 21:27 - "Sucedeu, pois, que Acabe, ouvindo estas palavras, rasgou as suas vestes, e cobriu a sua carne de saco, e jejuou; e jazia em saco, e andava mansamente." 

I Crônicas 10:12 : Então todos os homens valorosos se levantaram, e tomaram o corpo de Saul, e os corpos de seus filhos, e os trouxeram a Jabes; e sepultaram os seus ossos debaixo de um carvalho em Jabes, e jejuaram sete dias.

II Crônicas 20:3 : Então Jeosafá temeu, e pôs-se a buscar o SENHOR, e apregoou jejum em todo o Judá.

Esdras 8:21 : Então apregoei ali um jejum junto ao rio Aava, para nos humilharmos diante da face de nosso Deus, para lhe pedirmos caminho seguro para nós, para nossos filhos e para todos os nossos bens.

Esdras 8:23 : Nós, pois, jejuamos, e pedimos isto ao nosso Deus, e moveu-se pelas nossas orações.

Neemias 1:4 : E sucedeu que, ouvindo eu estas palavras, assentei-me e chorei, e lamentei por alguns dias; e estive jejuando e orando perante o Deus dos céus.

Neemias 9:1 : E, NO dia vinte e quatro deste mês, ajuntaram-se os filhos de Israel com jejum e com sacos, e traziam terra sobre si.

Ester 4:3 : E em todas as províncias aonde a palavra do rei e a sua lei chegava, havia entre os judeus grande luto, com jejum, e choro, e lamentação; e muitos estavam deitados em saco e em cinza.

Ester 4:16 : Vai, ajunta a todos os judeus que se acharem em Susã, e jejuai por mim, e não comais nem bebais por três dias, nem de dia nem de noite, e eu e as minhas servas também assim jejuaremos. E assim irei ter com o rei, ainda que não seja segundo a lei; e se perecer, pereci.

Ester 9:31 : Para confirmarem estes dias de Purim nos seus tempos determinados, como Mardoqueu, o judeu, e a rainha Ester lhes tinham estabelecido, e como eles mesmos já o tinham estabelecido sobre si e sobre a sua descendência, acerca do jejum e do seu clamor.

Salmos 35:13 : Mas, quanto a mim, quando estavam enfermos, as minhas vestes eram o saco; humilhava a minha alma com o jejum, e a minha oração voltava para o meu seio.

Salmos 38:18 - "Porque eu declararei a minha iniqüidade; afligir-me-ei por causa do meu pecado." 

Salmos 69:10 : Quando chorei, e castiguei com jejum a minha alma, isto se me tornou em afrontas.

Salmos 109:24 : De jejuar estão enfraquecidos os meus joelhos, e a minha carne emagrece.

Isaías 58:3 : Dizendo: Por que jejuamos nós, e tu não atentas para isso? Por que afligimos as nossas almas, e tu não o sabes? Eis que no dia em que jejuais achais o vosso próprio contentamento, e requereis todo o vosso trabalho.

Isaías 58:4 : Eis que para contendas e debates jejuais, e para ferirdes com punho iníquo; não jejueis como hoje, para fazer ouvir a vossa voz no alto.

Isaías 58:5 : Seria este o jejum que eu escolheria, que o homem um dia aflija a sua alma, que incline a sua cabeça como o junco, e estenda debaixo de si saco e cinza? Chamarias tu a isto jejum e dia aprazível ao SENHOR?

Isaías 58:6 : Porventura não é este o jejum que escolhi, que soltes as ligaduras da impiedade, que desfaças as ataduras do jugo e que deixes livres os oprimidos, e despedaces todo o jugo?

Jeremias 14:12 : Quando jejuarem, não ouvirei o seu clamor, e quando oferecerem holocaustos e ofertas de alimentos, não me agradarei deles; antes eu os consumirei pela espada, e pela fome e pela peste.

Jeremias 36:6 : Entra, pois, tu, e pelo rolo que escreveste da minha boca, lê as palavras do SENHOR aos ouvidos do povo, na casa do SENHOR, no dia de jejum; e também, aos ouvidos de todos os de Judá, que vêm das suas cidades, as lerás.

Jeremias 36:9 : E aconteceu, no quinto ano de Jeoiaquim, filho de Josias, rei de Judá, no mês nono, que apregoaram jejum diante do SENHOR a todo o povo em Jerusalém, como também a todo o povo que vinha das cidades de Judá a Jerusalém.

Daniel 6:18 : Então o rei se dirigiu para o seu palácio, e passou a noite em jejum, e não deixou trazer à sua presença instrumentos de música; e fugiu dele o sono.

Daniel 9:3 : E eu dirigi o meu rosto ao Senhor Deus, para o buscar com oração e súplicas, com jejum, e saco e cinza.

Joel 1:14 : Santificai um jejum, convocai uma assembléia solene, congregai os anciãos, e todos os moradores desta terra, na casa do SENHOR vosso Deus, e clamai ao SENHOR.

Joel 2:15 : Tocai a trombeta em Sião, santificai um jejum, convocai uma assembléia solene.

Jonas 3:5 : E os homens de Nínive creram em Deus; e proclamaram um jejum, e vestiram-se de saco, desde o maior até ao menor.

Zacarias 7:5 : Fala a todo o povo desta terra, e aos sacerdotes, dizendo: Quando jejuastes, e pranteastes, no quinto e no sétimo mês, durante estes setenta anos, porventura, foi mesmo para mim que jejuastes?

Zacarias 8:19 : Assim diz o SENHOR dos Exércitos: O jejum do quarto, e o jejum do quinto, e o jejum do sétimo, e o jejum do décimo mês será para a casa de Judá gozo, alegria, e festividades solenes; amai, pois, a verdade e a paz.

 

Mateus 4:2 : E, tendo jejuado quarenta dias e quarenta noites, depois teve fome;

Mateus 9:14 : Então, chegaram ao pé dele os discípulos de João, dizendo: Por que jejuamos nós e os fariseus muitas vezes, e os teus discípulos não jejuam?

Mateus 9:15 : E disse-lhes Jesus: Podem porventura andar tristes os filhos das bodas, enquanto o esposo está com eles? Dias, porém, virão, em que lhes será tirado o esposo, e então jejuarão.

Mateus 6:16 : E, quando jejuardes, não vos mostreis contristados como os hipócritas; porque desfiguram os seus rostos, para que aos homens pareça que jejuam. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão.

Mateus 6:17 : Tu, porém, quando jejuares, unge a tua cabeça, e lava o teu rosto,

Mateus 6:18 : Para não pareceres aos homens que jejuas, mas a teu Pai, que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará publicamente.

Mateus 15:32 : E Jesus, chamando os seus discípulos, disse: Tenho compaixão da multidão, porque já está comigo há três dias, e não tem o que comer; e não quero despedi-la em jejum, para que não desfaleça no caminho.

Mateus 17:21 : Mas esta casta de demônios não se expulsa senão pela oração e pelo jejum.

Marcos 2:18 : Ora, os discípulos de João e os fariseus jejuavam; e foram e disseram-lhe: Por que jejuam os discípulos de João e os dos fariseus, e não jejuam os teus discípulos?

Marcos 2:19 : E Jesus disse-lhes: Podem porventura os filhos das bodas jejuar enquanto está com eles o esposo? Enquanto têm consigo o esposo, não podem jejuar;

Marcos 2:20 : Mas dias virão em que lhes será tirado o esposo, e então jejuarão naqueles dias.

Marcos 8:3 : E, se os deixar ir em jejum, para suas casas, desfalecerão no caminho, porque alguns deles vieram de longe.

Marcos 9:29 : E disse-lhes: Esta casta não pode sair com coisa alguma, a não ser com oração e jejum.

Lucas 5:33 : Disseram-lhe, então, eles: Por que jejuam os discípulos de João muitas vezes, e fazem orações, como também os dos fariseus, mas os teus comem e bebem?

Lucas 5:34 : E ele lhes disse: Podeis vós fazer jejuar os filhos das bodas, enquanto o esposo está com eles?

Lucas 5:35 : Dias virão, porém, em que o esposo lhes será tirado, e então, naqueles dias, jejuarão.

Lucas 18:12  - "Jejuo duas vezes na semana, e dou os dízimos de tudo quanto possuo." 

Atos 10:30 : E disse Cornélio: Há quatro dias estava eu em jejum até esta hora, orando em minha casa à hora nona.

Atos 13:2 : E, servindo eles ao Senhor, e jejuando, disse o Espírito Santo: Apartai-me a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho chamado.

Atos 13:3 : Então, jejuando e orando, e pondo sobre eles as mãos, os despediram.

Atos 27:9 : E, passado muito tempo, e sendo já perigosa a navegação, pois, também o jejum já tinha passado, Paulo os admoestava,

I Coríntios 7:5 : Não vos priveis um ao outro, senão por consentimento mútuo por algum tempo, para vos aplicardes ao jejum e à oração; e depois ajuntai-vos outra vez, para que Satanás não vos tente pela vossa incontinência.

II Coríntios 11:27 : Em trabalhos e fadiga, em vigílias muitas vezes, em fome e sede, em jejum muitas vezes, em frio e nudez.

II Pedro 2:8 - "(Porque este justo, habitando entre eles, afligia todos os dias a sua alma justa, vendo e ouvindo sobre as suas obras injustas);"  

Estarei postando aqui em breve alguns esboços de mensagens a respeito da prática do Jejum.

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Manda Quem Pode

Lá no meu trabalho eu escuto de vez em quando: “manda quem pode, obedece quem tem juízo” Fico pensando se é assim mesmo que tem de ser.

Eu queria desmontar esse ditado naquilo que ele se resume, em suas ações e em suas qualidades. As ações são duas: mandar e obedecer, as qualidades também: poder e juízo. Apesar destas ações também denotarem qualidades, a do obediente e a do autoritário.

Assim podemos traçar diversas relações entre essas palavra e criaremos os mais diversos ditados para os mais diversos gostos, mas fico pensando da lógica de cada uma das possibilidades.
- Manda quem tem juízo, obedece quem pode.
- Manda quem obedece, julga quem tem poder.
- Obedece quem tem poder, julga quem é autoritário.
- Julga que obedece, apodera-se quem é autoritário.

Não sei se há outras possibilidades mas prefiro simplificar mantendo as duas ações e duas qualidades iniciais.

Começando com as duas qualidades, poder e juízo, o poder do homem, apesar de avassalador é limitado. Ele tem poder para construir muitas coisas, mas tem mais poder para destruir, a natureza, a vida e a alegria das pessoas, a sua própria, a comunhão com Deus e com o próximo. Juízo então é algo que lhe falta aos borbotões. Escolher entre o bem e o mal não tem sido das suas qualidades mais marcantes.

Já dizia um outro ditado: Tudo é força, mas só Deus é poder. Na verdade aí está o poder, o criador, o sustentador, o reparador, o salvador, Deus é esse Poder. Detentor deste lhe é atributo também o juízo, pois quem mais neste Universo sabe a real diferença entre o bem e o mal?

Deus nos tem dado uma ordem, ou melhor, um mandamento – “Um novo mandamento vos dou, que vos ameis uns aos outros assim como eu vos amei”. Com certeza assim o faz porque “julga o mundo com justiça e os povos com equidade”, Ele é Aquele que tem o poder de agir, de mandar, de julgar, e mesmo sem precisar realmente, tem ainda o poder de obedecer, pois “foi obediente até a morte e morte de Cruz”.

Mas ressuscitou e hoje vive para te dar vida, “porque Deus enviou o seu filho ao mundo, não para que julgasse o mundo mas para que o mundo fosse salvo por ele”.

Se eu pudesse reescrever este ditado eu assim o faria:
- Manda quem julga e pode, quem obedece?

Pastor Tito Mendes.

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Deixe Deus Guiá-lo Pelas Mãos

Salmo 40. 1-3

Esta mensagem é para você que tem perdido a identidade, e já não clnhece mais seu real valor. É para você que não tem feito as melhores escolhas da sua vida ultimamente e é para você que acha que não tem mais solução, que nada pode mudar o rumo da sua história.
Hoje você tem alguns presentes a receber oferecidos por Deus, receba e abra.

1 - Deus te oferece o amparo de um Amigo - v. 1

O texto fala de alguém que clama e alguém que ouve, fala de pessoas que se identificam, o Salmista e Deus. No reino animal percebemos que há identidade entre as mães e suas crias, como a galinha e os pintinhos, por exemplo (Mateus 23. 37). Li em certo lugar que uma espécie de crocodilos ao romper os ovos emite um som logo identificado por sua mãe.
Será que há alguma identidade entre você e Deus, ou ela anda perdida? A Escritura nos diz que o homem foi feito à imagem e semelhança de Deus, mas o pecado tem apagado esta identidade, e o homem tem se tornado a cada dia menos semelhante ao Criador.
Deus te dá valor, Jesus disse certa vez que "mais vale uma alma que o mundo inteiro", recupere sua identidade e faça como Jonas:
"Em meu desespero clamei ao SENHOR, e Ele me respondeu. Do ventre da morte gritei por socorro, e ouviste o meu clamor" (Jonas 2. 2)
Mas Ele tem mais a te oferecer.

2 - Deus te oferece um Novo Caminho - v. 2

Talvez você ache que está no caminho certo, algumas pessoas pensam assim, mas diz em Provérbios que "há caminhos que ao homem parece perfeito mas o fim deles conduz à ruina. Você segue o caminho de seus pais, de seu povo, isso não quer dizer que você anda bem.
A cultura ou a tradição não podem dar o que você realmente necessita. Na verdade o que você tem alcançado é o resultado de suas escolhas, não é ônus de seus antepassados, o caminho que você segue na verdade são suas escolhas, se é lamaçal ou se é angustia, foi você que escolheu.
Mas há uma escolha melhor que qualquer outra, o Caminho Magnífico, Jesus!
"Eu sou o caminho, e a verdade e a vida, ninguém vem ao Pai senão por mim" (João 14. 6).
E, por fim, Ele te oferece algo ainda melhor.

3 - Deus te oferece um Novo Coração - v. 3

Uma das coisas que as pessoas mais procuram é algo novo em suas vidas, ou mesmo, uma nova vida. Só que, geralmente, buscam isso através de mudanças superficiais. Se você der um banho em um porco e colocá-lo entre ovelhas em pouco tempo ele estará sujo novamente, e buscando o seu chiqueiro.
Para Deus só existem dois tipos de pessoas, aquelas que são chamadas de rebeldes, "Rebeldes fostes contra o SENHOR desde o dia em que vos conheci" (Deuteronômio 9. 24), e aquelas que são chamadas de menina do seu olho, "Achou-o numa terra deserta, e num ermo solitário cheio de uivos; cercou-o, instruiu-o, e guardou-o como a menina do seu olho" (Deuteronômio 32. 10 - ver também Zacarias 2. 8).
Hoje tudo pode mudar, até mesmo o seu coração. "E dar-vos-ei um coração novo, e porei dentro de vós um espírito novo; e tirarei da vossa carne o coração de pedra, e vos darei um coração de carne" (Ezequiel 36. 26)

Uma águia, mesmo criada entre galinhas, será sempre águia, um ser-humano, com todo o seu valor, nunca perderá esse valor diante do Senhor, Deus quer restaurar o seu hoje, agora mesmo. Clame por Jesus em seu coração e o receba como seu Salvador, receba um novo coração.

(Mensagem pregada em 25 de janeiro de 2009 na Igreja Batista de Avelar e em 01 de fevereiro na Primeira Igreja Batista em Floresta da Barra da Tijuca)

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Eu Gosto de Trabalhar!

Hoje é o penúltimo dia de minhas férias. Estou feliz por vê-la no fim. É claro que gosto de tirar férias, mas também gosto de trabalhar.

Sempre que me perguntam se vendi 10 dias de férias digo que gostaria de comprar, mas a empresa não vende, então porque eu tenho que vender? Prefiro sim tirar os 30 dias, mas isso não quer dizer que tenho prazer em me ver livre do meu trabalho. Trabalhar é prazeroso, não apenas cansativo. Há algumas razões para se gostar de trabalho e gostaria de compartinhar aqui pois talvez você se identifique com algumas delas.

1º - Eu gosto de trabalhar porque me sinto útil - No filme "A Procura da Felicidade" há um momento em que o personagem principal perde sua máquina de densitometria óssea e um indigente a encontra, faz dela a sua "máquina do tempo" e a curte em seus delírios. Na verdade em suas mãos não havia utilidade, pois o que seria útil para uma vida aparentemente inútil? Quando nos sentimos inúteis nos tornamos indigentes, andarilhos sem rumo, mendicantes em busca de uma razão para viver.

O trabalho nos preenche este espaço e nos posiciona no macrocosmo universal nos tornando uma peça indispensável dessa grande engrenagem.
2º - Eu gosto de trabalhar porque isso me sustenta - Eu gosto de comer adequadamente, vestir-me do mesmo modo e habitar uma casa segura. Sem o trabalho é muito difícil alcançar aquilo que desejamos, e, talvez você pense que nem mesmo com o trabalho se consegue. Depende de quanto você é capaz de trabalhar, aliás, tudo depende de onde você quer realmente chegar. Existe uma palavra chamada "acomodação", não sei se você a conhece, eu a conheço pois já fez parte de minha vida em alguns momentos, foram os momentos estacionários de minha existência.
Quando estacionamos costuma faltar coisas que nossas almas anseiam. Não damos conta de nossas contas, nem de nossos desejos. Somos ajudados (ótimo!), mas nunca recebemos tudo o que precisamos, menos ainda o que queremos. Por isso trabalho, não apenas pelo meu sustento material ou fisiológico, para para sustento do meu ser, pois o trabalho é transcedente, as Escrituras nos ensinam que fomos feitos para trabalhar. Nossa alma depende disso.
Eu gosto de trabalhar porque o trabalho me realiza - Fico pensando no significado de "realização", realizar é tornar real, não é apenas ser útil, ou uma questão de sustento, mas de existência! Eu não posso existir realmente sem o meu trabalho, tudo o que sou e o que tenho existem da forma que são por causa do meu trabalho. O Deus da minha fé é Deus de trabalho, Ele "trabalha até agora", não tem descanso. Eu trabalho, logo existo. Lembro-me de me esconder o dia inteiro dentro de casa em momentos de desemprego, não era útil, era incapaz de me sustender (e de pedir ajuda), era um inexistente.
O trabalho nos tira da virtualidade indigente e nos faz agente da vida, reais, existentes. O que fazemos influencia o mundo, no mundo e através dele. Fazemos parte do macroprocesso produtivo universal, estamos mundando o mundo com o nosso trabalho.
Lembra do Cris Carter, o personagem do filme citado acima? Ele tinha um trabalho, as suas máquinas, não desistiu dele e também não desistiu de algo melhor, lutou por isso e continuou trabalhando. Sim, é uma história real, não é fácil ser útil, sustentar-se e muito menos existir, mas é possível...
Escrito por titomendes às 09h48 (http://tito.mendes.zip.net)

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

A Vida é Bela

A vida é realmente bela, tinha razão o Roberto Benini.

Tenho pensado na minha o bastante para chegar a esta conclusão todos os dias. Já tive dores (algumas delas permanecem comigo quase que diariamente), pequenas e grandes perdas como qualquer um, conquistas e frustrações. E continuo vivendo, melhor sim do que muitos diria alguém, mas não do que tantos outros.

Não tenho a intensão de chorar meus lamentos passados, qualquer dia posso falar sobre alguns deles desde que seja realmente útil, mas quero motivar um eventual leitor que passe os olhos por estas palavras, a vida é realmente bela. Ela nos é um presente sem medida. Uma dádiva maravilhosa que, às vezes eu esqueço de tirar todo o proveito possível.

Agora mesmo meus filhos passam diante de mim (os menores) despreocupados, felizes, alimentados e despenteados. Estão brincando e sorrindo, o menorzinho tenta falar suas primeiras palavras, na verdade não é ele que tenta falar, sou eu que tento entender.

Lá fora o sol e a chuva se revezam nestes meus dias de férias. Ontem choveu o dia todo e, quando esperava um pouco de sol, começa a chover agora. Como posso dizer que isso não é bom? Eu preciso disso, nós precisamos!

Há pessoas lá fora e eu vou vê-las, visitá-las, encontrá-las, falar com elas. Isto é umas das coisas mais belas da humanidade, o relacionamento social. A diversidade de personalidades, de características, de fisionomias e de culturas. Isto é belo. Não penso nas pessoas como boas ou más, inteligentes ou leigas, negras ou brancas, penso nas pessoas como pessoas. As diferenças são criações de nossa visão.

A visão que temos da vida nos determina a qualidade daquilo que vemos. O que é feio pra mim pode ser bonito pra você, mas tem gente que vê mais o mal que o bem. Eu vejo o que quero ver. Tudo tem a sua boa face, o seu lado bom, bonito (falo isso das pessoas, é claro) e ver isso depende da nossa capacidade de visão.

Aquele pai do filme de Benini não permitiu que seu filho visse os terrores da guerra, não apenas porque ele quisesse que seu filho visse apenas o belo da vida, mas porque ele mesmo sempre procurou ver o belo. Ele gostava de viver e viver é bom, mesmo com dores ou perdas.

Olhe ao redor, há alguma coisa bela perto de você, há beleza nas pessoas ao seu redor, sim, em todas elas, e há beleza e bondade também em você. Você não é tão Darth Vader que não possa ter ainda um pouco de Anakin em seu coração. Há bondade ainda dentro de você. Ilumine os seus olhos para que você possa ver estas coisas que vejo, esta humanidade que pode trilhar um caminho mais belo, mais justo e mais promissor.

Eu acredito nas pessoas.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Um Molho de Chaves na Mão

Um molho de chaves e nenhuma porta para abrir. Para nós que vivemos nesta terra abençoada, que mais parece o céu, apesar das balas perdidas, e dos toques de recolher em algumas comunidades, apesar do trânsito caótico e da poluição dos centros urbanos. Sim, apesar destas e de outras coisas, esta terra mais parece o céu. Eu volto todos os dias pra casa e encontro ela em segurança e assim mantendo minha família.

Mesmo quando passo várias semanas longe de casa, sei que não terei grandes surpresas ao retornar. Mas bastaram uns poucos dias e aquele menino, com seu molho de chaves na mão, não encontrou nem mesmo a porta de sua casa, pois ela não mais existia. Conseguiu, mo meio do monturo, sentar em uma poltrona, para ali chorar seus lamentos.

Pais perderam filhos, mulheres, os seus maridos, e grande maioria dos lares viraram ruínas. Não quero agora culpar o Hamas, nem Israel, mas a falta de amor no coração do homem, não digo nem amor pelo próximo, mas amor próprio. Pois só quem não pode amar-se verdadeiramente é capaz de fazer atrocidades com o seu próximo, não importam os pretextos.

Você já percebeu que todo ato insano tem uma justificativa plausível? Digo Plausível mesmo, pois toda justificativa o é, são razoáveis, ponderáveis e principalmente, EGOÍSTAS. Aí esta o verdadeiro significado do desamor, o egoísmo.

Sim, vejo em tudo isso justificativas plausíveis, tanto de Israel quanto do Hamas ou dos palestinos, mas todas egoístas, melhor dizendo, insanas, na verdade, absurdas. De quem é a terra que pisamos? De ninguém, de todos! Como eu creio, o mundo foi feito para o homem e o homem para o mundo, não existe etnia, não existem raças. A raça humana é única e ainda não percebeu isso.

Na verdade, “Do ETERNO é a terra e a sua plenitude, o mundo e aqueles que nele habitam”. A Paz é possível, sim, ela ainda não chegou, pois quem pode dizer que aquele menino alcançou a paz? Talvez não tenha nem encontrado seus pais, muito menos a paz. Talvez, quando os homens entenderem as palavras importantes daquele homem humilde que aqui pisou e andou entre nós: “amem o seu próximo como a vocês mesmos”. Nisto reside o caminho para a Paz, a tão sonhada e desejada Paz que desejam os palestinos, os cidadãos da ONU, do mundo, eu mesmo sonho a cada dia com isto.

Quem sabe um dia fará sentido o lema da ONU, "E ele julgará entre as nações, e repreenderá a muitos povos; e estes converterão as suas espadas em enxadões e as suas lanças em foices; uma nação não levantará espada contra outra nação, nem aprenderão mais a guerrear." (Isaías 2 : 4)

do blog http://tito.mendes.zip.net

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

"Se Tu Queres um Amigo, Cativa-me"

Semana passada eu li um dos grandes clássicos da literatura mundial: “O Pequeno Príncipe” de Antoine de Saint-Exupéry. Nunca tinha levado a sério um título que fala de um menino que vive em um pequeno planeta que, de tão pequeno não abriga quase nada, e que, em poucos passos dá-se a volta no pequeno planeta.

Mas uma obra que encontra-se em terceiro lugar na literatura global, atrás apenas da Bíblia e da obra de John Bunyan, “O Peregrino”, conhecedor e leitor das duas primeiras, não poderia continuar sendo desprezada por este leitor. Sendo ainda uma obra pequena e de fácil leitura, menos de 50 páginas, quero deixar claro que sua leitura, não apenas não me decepcionou, mas marcou por demais o meu ser.

Em meio aos diversos personagens que passam pela vida do pequeno príncipe, com os quais você talvez se identifique com alguns, um que tocou-me no cerne foi a raposa.

O diálogo com a raposa é magistral e este capítulo, com certeza, o coração do livro. Capítulo que fala de amor, na verdade o termo usado pela raposa é “cativar”. O menino que procurava amigos encontrou uma raposa, carecendo ser cativada. “Eu não posso brincar contigo, não me cativaram ainda”.

O que o menino procurava distante estava bem ali na sua frente, a oportunidade de algo que realmente importa, fazer um novo amigo. “A gente só conhece bem as coisas que cativou”. Cativar é a maneira de tornar único aquilo que é comum, um entre cem mil, ou, como se diria hoje, um em um milhão.

Creio que em épocas cibernéticas como as atuais e das amizades virtuais ecoa a sentença da raposa: "Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm mais amigos”, mas entre tantos, cerca de 6 bilhões de homens que habitam hoje a face de nosso planeta, talvez haja alguém bem perto a suplicar: “Se tu queres um amigo, cativa-me!"

Mas cativar é um engenho laborioso, é preciso dedicação, paciência, ritos. Uma linguagem própria, a do amor, as palavras são, muitas vezes, “uma fonte de mal-entendidos”. Mas, tudo o que é trabalhoso trás recompensa. Só após cativar podes aprender alguns segredos essenciais a uma boa existência, fundamental pra quem busca felicidade.

1 – “Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos”. Você já ouviu alguém dizer? - Não sei o que Maria viu no João... Maria cativou João, e João cativou Maria, pois viram-se com outros olhos.

2 – “Foi o tempo que perdeste com tua rosa que fez tua rosa tão importante”. A rosa é a pessoa que cativou ou foi cativada, não existe tempo perdido, mas tempo de cativar, ou seja, dedicação.

3 – “Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas”. Isso é realmente forte. Cativar é ter responsabilidade, é ser responsável pela pessoa amada. É estar presa, amarrada, é criar laços. É não querer ser livre. É como cantávamos em uma antiga canção: “cativar é amar...”

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Mudança de Clima

15/01/2009 (de http://tito.mendes.zip.net)

Mudança de Clima

Ontem assisti ao documentário “A Última Hora”. E, pra ser sincero, não sei exatamente o que pensar. A narrativa do filme baseia-se no fato de que nós, humanos estamos gradativamente destruindo nossa biosfera, e que os maiores prejudicados seremos nós mesmos. Pois a carga de lixo e de poluição que lançamos em nosso ecossistema, além de prejudicar a biosfera, nos afeta diretamente.

Fiquei abismado com a afirmativa de que de todas as espécies existente neste planeta, mais de 99 % já se extinguiram, ou seja, a extinção da humanidade é um processo natural, o que fazemos é apenas antecipar este processo, assim como já fizemos com várias das espécies que encontramos quando aqui chegamos até agora.

A narrativa conclui que, após todo o prejuízo que traremos a nós mesmos, e nossa conseqüente prematura extinção, a terra com certeza se recuperará, e continuará sua jornada na existência universal. Ela permanecerá sem a nossa influência. Diga-se de passagem, muito melhor. Mas não precisamos assistir tudo isso de camarote, podemos, começando agora mesmo, fazer algo para prolongar aqui os nossos dias com qualidade.

Talvez você, que como eu seja cristão, pense: “se minha esperança não está fundamentada nesta existência terrena, por que deveria eu me preocupar?” Pobre coitado, medíocre e egoísta o que pensa dessa forma. A Terra não nos pertence, ela nos é uma concessão, conforme nossa forma de crer, Divina. Ela é criação de Deus, não devemos desprezar essa criação. Não devemos destruir a Sua obra.

Eu não quero, e nem posso viver aqui para sempre, mas a minha posteridade permanecerá aqui, enquanto Deus assim permitir. Preciso cuidar do futuro dos meus filhos, precisamos deixar um legado melhor do que este que estamos deixando.

A temperatura da Terra já subiu 1 grau centígrado, e vem mais por aí. As espécies marinhas estão se extinguindo por causa do lixo que lá lançamos e pela forma predatória que as exploramos. Já temos recebido de volta tempestades, furações, ciclones tropicais, degelo das calotas polares...

A solução encontra-se na abolição dos combustíveis fósseis e no uso de energias renováveis e sustentáveis, no reflorestamento, no uso de materiais recicláveis, em mais frugalidade e menos industrialização. Ou seja, em mudança completa de hábitos e culturas.

Deixo aqui o alerta que assisti no documentário: Nós não temos muito tempo, precisamos começar a mudar nossa forma de agir sobre nossa biosfera, ou então...



Escrito por titomendes às 11h22

Mudança de Direitos

13/01/2009 (de http://tito.mendes.zip.net)

Mudança de Direitos

È uma estranha matemática. 18 dias de guerra, cerca de 900 palestinos mortos, média de 50 mortes por dia (uma boa parte delas, crianças). 13 israelenses mortos, na maioria soldados. Para cada 50 palestinos mortos, às vezes morre um soldado israelense.
Convém entender que Israel pensa ser uma questão de direito (fugindo da matemática, pois a maior parte das pessoas que conheço não a apreciam) praticar suas atrocidades por se julgar dono de uma terra que não lhe pertence mais.
Desalojados dali pelo direito bíblico tiveram a suas chance de ouro por meio de Ciro. Os Romanos cumpriram, então em definitivo, a sentença Divina. Agora o Israel de Deus é outro, a Igreja, a Terra Santa, a Celestial. Todas as promessas Divinas são cumpridas agora sobre a Igreja, única detentora da missão do IAVÉ Eterno.
Triste é ver os detentores da missão do Cristo de Amor conluiarem-se com a causa israelense a pretexto de interpretações de correntes escatológicas absurdas, e terem por aceitável massacres palestinos, como se eles nada fossem. Povo que por direito habitam a região há milhares de anos, enquanto Israel, após habitar uma terra comprada, invadiu território alheio achando-se no direito...
O povo palestino é um POVO, homens, mulheres e crianças, pessoas que gozam da cidadania humana, detentora dos direitos universais. Aliás, lendo a Declaração Universal dos Direitos humanos pode-se ver pontos interessantes (1):
Artigo 1°
Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade.
Artigo 12°
Ninguém sofrerá intromissões arbitrárias na sua vida privada, na sua família, no seu domicílio ou na sua correspondência, nem ataques à sua honra e reputação. Contra tais intromissões ou ataques toda a pessoa tem direito a proteção da lei.
Artigo 15°
1. Todo o indivíduo tem direito a ter uma nacionalidade.
2. Ninguém pode ser arbitrariamente privado da sua nacionalidade nem do direito de mudar de nacionalidade.
Artigo 17°
1. Toda a pessoa, individual ou coletiva, tem direito à propriedade.
2. Ninguém pode ser arbitrariamente privado da sua propriedade.
Não se pode ser favorável à carnificina de espécie alguma. Não queremos fechar os olhos a atos terroristas, mas não se pode responder fogo com fogo, ainda mais quando o fogo desigual é desumano e inconseqüente, nada seletivo, que atinge a própria carne (fogo amigo), a maternidade, a infância e a terceira idade, muito mais que o membro do hamas.
Tenha uma posição clara, pró-humana, não manipulada e consciente. Manifeste-se para que todos saibam que você também não aprova essa desumanidade.

Nota:
1 – É uma leitura de cinco páginas que não lhe tomará mais que quinze minutos, acesse o link:
http://www.comitepaz.org.br/download/Declara%C3%A7%C3%A3o%20Universal%20dos%20Direitos%20Humanos.pdf



Escrito por titomendes às 14h57