quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Qual a condição das pessoas depois que morrem?


Esta é a resposta à terceira pergunta da Aline:
Antes de considerar a condição das pessoas após a morte é necessário considerar o conceito de morte. O homem foi criado para viver, na presença de Deus, aliás, a presença de Deus é vida, João 14. 6, "Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim."  (João 14 : 6)
Na verdade há dois tipos de morte, a morte física e a espiritual. Considerando que o homem foi criado para viver, a morte é tão somente conseqüência da escolha feita pelo homem ao rebelar-se contra a Palavra de Deus. Gênesis 2. 17  “Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás”.
O conceito de morte expressa a separação, a física: separação entre a alma e o corpo, e espiritual a separação entre o homem e Deus, Gênesis 2. 17(não farei um trabalho exegético aqui, mas este texto expressa os dois tipos de morte), Romanos 3. 23, “Porque todos pecaram e destituídos estão da Glória de Deus”, e, ainda Mateus 25. 32 “E todas as nações serão reunidas diante dele, e apartará uns dos outros, como o pastor aparta dos bodes as ovelhas”.
A primeira coisa a se esclarecer em relação à morte é que ela só ocorre fisicamente uma vez: "E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo,"  (Hebreus 9 : 27), biblicamente falando não haverá sucessivas mortes e vidas (reencarnação), a Bíblia deixa claro que a vida é uma só, é uma oportunidade única do ser humano encontrar a Vida(João 5. 24).
Outra coisa a se considerar é o conceito de sofrimento após a morte, o que chamamos de inferno. Jesus, a Palavra Viva nos deixou conceitos claros a respeito dessa condição, na qual estarão todos os que rejeitam sua Palavra. "Ali haverá choro e ranger de dentes, quando virdes Abraão, e Isaque, e Jacó, e todos os profetas no reino de Deus, e vós lançados fora."  (Lucas 13 : 28)
Um texto em que Jesus esclarece a condição do homem após a morte é o de Lucas 16. 19-31, que costumeiramente chamamos “Parábola do Rico e Lázaro” e que em momento algum Jesus chama de parábola, justamente por expressar a condição real do homem após a morte.
Já sabemos que a Salvação é resultado da misericórdia Divina, por isso o texto diz: “E aconteceu que o mendigo morreu, e foi levado pelos anjos para o seio de Abraão” (v. 22), aquele que alcança a misericórdia do Senhor, é consolado nos braços do Senhor, representado aqui por Abraão. Veja também Apocalipse 7. 9-17.
Quanto ao que rejeita sua misericórdia é essa a sua condição: "E, clamando, disse: Pai Abraão, tem misericórdia de mim, e manda a Lázaro, que molhe na água a ponta do seu dedo e me refresque a língua, porque estou atormentado nesta chama."  (Lucas 16 : 24), ver também Mateus 8: 12, 13: 42, 50; 22: 13; 24: 51; 25: 30.
Não há meios de fugir desta condição nem dela ser aliviado: "E, além disso, está posto um grande abismo entre nós e vós, de sorte que os que quisessem passar daqui para vós não poderiam, nem tampouco os de lá passar para cá."  (Lucas 16 : 26), e nesta condição ficarão até presenciarem o julgamento final: Mateus 35: 31-46.

Pr. Tito

Nenhum comentário:

Postar um comentário