terça-feira, 8 de março de 2011

Carnaval, Invenção Pagã, Permissão Cristã.

Hoje é terça-feira gorda, dia clímax do carnaval, que precede a quaresma, período de abstenção à carne e aos prazeres do corpo com vistas à santificação exigida à semana chamada santa do cristianismo imperante.
Mas o carnaval é anterior ao cristianismo, tem suas origens no paganismo grego, como culto à Dionísio, posteriormente Baco, em Roma, onde as comemorações dirigiam-se também a Saturno. No período do solstício de inverno, por volta de 21 ou 22 de dezembro, haviam comemorações chamadas bacanais e saturnais, festas em comemoração à fertilidade, com requintes de orgias e glutonarias, onde se elegia um belo soldado como rei das festividades, chamado Rei Momo, que, no final da festa era sacrificado aos deuses, com o passar do tempo passou-se a escolher uma pessoa gorda, em sinal de opulência.
Com a popularização do cristianismo à partir do séc. IV, estas festas foram abolidas, mas por falta de cristianismo autêntico, qualquer um no império então era cristão, algumas festas pagãs foram preservadas e, conseqüentemente, redenominadas, sendo o carnaval a maior delas. Com a instituição da Quaresma, as festividades carnavalescas passaram a ocupar os dias que a antecedem. Sendo por fim, o carnaval, reconhecido pela própria Igreja.
Carnaval moderno resume-se na total entrega aos prazeres da carne, culto à luxúria e promiscuidade, símbolos de tudo o que sempre representou, do qual, como verdadeiros cristãos, devemos nos abster e ensinar a todos que este não pode levar a um caminho de comunhão com o Criador. Pelo contrário, afasta ainda mais o homem de Deus. Na verdade o carnaval é um culto humanista, homocêntrico, contrário ao Criador.
Que posição devemos tomar em relação a esta festa? Será que devemos nos retirar em nossa santidade, recolhermo-nos em nossa exclusividade, abstendo-nos de qualquer tipo de contaminação? Ou quem sabe estar no meio da manifestação cultural carnavalesca com nossos blocos “evangélicos” criando também nossa cultura gospel carnavalesca? Aliás seriam os retiros de hoje: retiros espirituais ou retiros carnavalescos?
A Palavra nos ensina “lembra-se do teu Criador, nos anos iniciais de tua vida”(Eclesiastes 12:1, parafrase) e, com certeza esta festa não tem como centro o Eterno, mas os deuses da carne e da natureza característicos do paganismo, qualquer semelhança que se busque é eclética, ou mais ainda, sincrética, característica principal do romanismo, que agora parece também fazer parte da cultura evangélica contemporânea.
Quero advertir-nos dos erros então cometidos. Sejam daqueles que se escondem nos retiros espirituais, sejam daqueles que se deleitam nos retiros carnavalescos, sejam daqueles que se entregam à folia evangélica, além dos que se entregam totalmente a este culto pagão (do qual vangloria-se um site pagão ao relatar a história do carnaval: “Quem disse que o Paganismo não existe mais?” - bruxaria.net – Carnaval e suas origens Pagãs). Qualquer coisa que não vise a glória Divina, não deve ser prática cristã, para me fazer melhor entendido, tudo o que fizermos deve ser direcionado a Deus, jamais para o nosso próprio prazer.
Paulo ensina, "Abstende-vos de toda a aparência do mal" (I Tessalonicenses 5 : 22), não se pode trazer paralelo da cultura popular para a vida cristã, seja nas ruas ou nos retiros, não se pode também tapar olhos e ouvidos a este mundo que precisa de luz e salvação. Já que “sabemos que somos de Deus e o mundo todo jaz no maligno” (1 João 5:19), então proclamemos com veemência o caminho mau seguido pela maioria, apontando o bom caminho da Salvação em Cristo Jesus, através do reconhecimento do pecado, arrependimento e fé em Seu sacrifício Salvador.

Que Deus abençoe a todos,

Pastor Tito Mendes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário