quinta-feira, 14 de julho de 2011

UMA MORATÓRIA CONTRA O USO DO ÁLCOOL

Há um tema em que precisamos radicalizar.
Precisamos ser radicais na recusa ao uso do álcool. Nossa sociedade tolera o consumo do álcool, do mais leve ao mais forte. Os anúncios, sobretudo os de cerveja, glamurizam os usuários regulares de bebidas alcoólicas.
Chegou o momento do sacrifício para rompermos a espiral da morte.
Precisamos sacrificar a liberdade de expressão nesta área e acabar com todo o estímulo (pela propaganda) ao consumo de álcool.
Precisamos sacrificar o prazer individual de beber social e responsavelmente, para não ficar qualquer estímulo às novas gerações.
Precisamos sacrificar as expectativas em torno do álcool servido em nossas festas para brindar casamentos, aniversários e vitórias.
Enquanto não radicalizarmos, não teremos o direito de ficar indignados com o bêbado (anônimo ou famoso) que se recusa a fazer o teste do bafômetro, não teremos autoridade moral para criticar aquele que jaz na sarjeta na esquina de nossa rua e não teremos o direito de protestar contra o ébrio que avança o sinal de trânsito e projeta para a morte um desconhecido.
Não podemos assistir, passivamente, como se não fosse conosco, à dizimação dos brasileiros por causa o álcool.
Não é possível que precisemos beber álcool para viver.

Israel Belo de Azevedo
prazerdapalavra.com.br
(publicado com permissão do autor)

2 comentários:

  1. Todos os que me conhecem sabem a minha opinião sobre o álcool, não importa o que digam, mas para o cristão é álcool zero. Há sempre aqueles que querem argumentar que o vinho é permitido, pelas várias razões já conhecidas, mas, se somos sacerdócio real, o álcool não nos é permitido. Sejamos exemplo à nossa sociedade e que não seja apenas nisto, mas também no caráter, na honestidade, e outras coisas mais de similar importância.

    ResponderExcluir
  2. http://www.youtube.com/watch?v=8-heyGpvBks
    marcha para jesus em S Gonçalo

    ResponderExcluir