domingo, 16 de setembro de 2012

As Obras dos Nicolaítas – Apostolado Moderno


A quem você segue? Valdomiro Santiago, R. R. Soares, Miguel Ângelo, Renê Terra Nova? Quem é o líder de sua igreja? De que boca parte a palavra profética e a revelação que você segue? Gostaria que você fosse ousado o suficiente para refletir comigo estas poucas linhas. Gostaria que você entendesse o significado de hierarquia e a sua real abrangência na igreja cristã e que entendesse qual o nome mais importante, aquele que está acima de todo o nome, nos céus, na terra e embaixo da terra.

Certa ocasião os discípulos de Jesus disputavam entre si sobre quem seria o maior entre eles, o Mestre assim respondeu: "Os reis dos gentios dominam sobre eles, e os que têm autoridade sobre eles são chamados benfeitores. Mas não sereis vós assim; antes o maior entre vós seja como o menor; e quem governa como quem serve"  (Lucas 22 : 25-26), e ainda completou: "Bem como o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir, e para dar a sua vida em resgate de muitos"  (Mateus 20 : 28).

É possível imaginar alguém que veio para servir, para ser o menor, andando (ou possuindo) carros suntuosos, cercador de glamour e seguranças, vestidos nos mais caros “armanis” e pregando em templos riquíssimos e gloriosos? Do Templo, disse Jesus que não ficaria pedra sobre pedra, e das riquezas disse Jesus “quão difícil entrar no Reino de Deus os que a possuem” (Mateus 24: 2; Marcos 10: 24).

Talvez alguém indague, mas Paulo disse que: "E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores"  (Efésios 4 : 11), então Paulo indicou uma certa hierarquia. Então é preciso haver um certo comando na igreja, Paulo mesmo se denominou “Apóstolo”.

Paulo não aferia sua autoridade no apostolado, antes dizia-se o menor de todos, e que vantagem havia em ser apóstolo e andar em “cadeias e prisões” (Hebreus 11. 36)? Paulo mostra em Efésios 4. 11, os diversos tipos de chamados Divinos, as comissões do Espírito Santo: "E ele mesmo deu uns para apóstolos”, ou seja – missionários, “e outros para profetas” - pregadores da Palavra, “e outros para evangelistas” - ganhadores de almas, “e outros para pastores” - aqueles que apascentam, “e doutores" – aqueles que se dedicam ao ensino.

Para que? Para receber bons salários? Para terem garantias de casa própria, ou uma boa aposentadoria? Não, mas para “o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo"  (Efésios 4 : 12).

Quem são então estes novos apóstolos e bispos (e bispas) da igreja moderna? Jesus, o bom mestre, responde claramente esta questão: "Assim tens também os que seguem a doutrina dos nicolaítas, o que eu odeio"  (Apocalipse 2 : 15).

O termo nicolaíta tem origem em duas palavras gregas: “nikê” – vitória com sentido de dominação(o mesmo nome daquela conhecida marca esportiva, NIKE), e “laos” - povo, significando aquele(s) que domina(m) sobre o povo, que exerce hierarquia sobre o povo comum. Jesus não ensinou nenhum tipo de hierarquia aos discípulos, nem ordenou tal coisa. Os apóstolos censuravam este tipo de atitude:  “Tenho escrito à igreja; mas Diótrefes, que procura ter entre eles o primado, não nos recebe. Por isso, se eu for, trarei à memória as obras que ele faz, proferindo contra nós palavras maliciosas; e, não contente com isto, não recebe os irmãos, e impede os que querem recebê-los, e os lança fora da igreja” (3 João 9-10, destaque acrescentado).

A que mestre você tem seguido? Jesus Cristo ou o “nicolaíta”? "Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade."  (Mateus 7 : 22-23)

"Lembra-te, pois, de onde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras; quando não, brevemente a ti virei, e tirarei do seu lugar o teu castiçal, se não te arrependeres. Tens, porém, isto: que odeias as obras dos nicolaítas, as quais eu também odeio."  (Apocalipse 2 : 5-6)

Pastor Tito Mendes

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

A igreja de Mercado e a igreja de Cristo


Vivemos em um mundo capitalista onde as duas maiores potencias mundiais o são em função da força do capital. O Brasil também vive uma bela economia de mercado em ascensão, citado como emergente e grande força econômica dos dias atuais. A filosofia principal do sistema capitalista é a força do consumo onde a relação produto e consumidor é a principal, onde o produto deve agradar e atrair o maior número de consumidores.
A igreja evangélica não tem sido diferente disso. Por estar inserida em um mundo capitalista ela também tem sobrevivido por seus métodos e se regido pelo sistema dominante, para tanto precisa ser uma igreja de mercado, ou seja, que possa atrair o maior número de consumidores (fiéis) por meio de atrações, exibições, atividades festivas, metro-pregadores, ídolos gospel, entre outros artifícios.

Estratégias da igreja de Mercado:

Atrair um povo místico, supersticioso, afeto a crendices, rezas e benzeduras com um pentecostalismo igualmente místico, com suas revelações, profecias, unções e bênçãos sobrenaturais.

Atrair um povo cobiçoso e avarento com promessas de riqueza e prosperidade.

Atrair um povo egoísta, orgulhoso e centrado no “eu”, com mensagens de auto-ajuda, de vitória pessoal, de cura e de determinação.

Atrair um povo festeiro de seus carnavais, festas e celebrações, com shows gospel, grandes eventos, marchas e  apresentação de astros evangélicos.

“E também houve entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá também falsos doutores, que introduzirão encobertamente heresias de perdição, e negarão o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina perdição.
 E muitos seguirão as suas dissoluções, pelos quais será blasfemado o caminho da verdade.
 E por avareza farão de vós negócio com palavras fingidas; sobre os quais já de largo tempo não será tardia a sentença, e a sua perdição não dormita.” 2 Pedro 2. 1-3
“Tenho, porém, contra ti que deixaste o teu primeiro amor. Lembra-te, pois, de onde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras; quando não, brevemente a ti virei, e tirarei do seu lugar o teu castiçal, se não te arrependeres.” Apocalipse 2. 4-5

Estratégias da igreja de Cristo:

Obedece a Cristo - "Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém."  (Mateus 28 : 19-20)

Persevera na doutrina e na comunhão - "E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações."  (Atos 2 : 42)

Reconhece e combate o pecado - "Se dissermos que temos comunhão com ele, e andarmos em trevas, mentimos, e não praticamos a verdade. Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado."  (I João 1 : 6-7)

Coloca Deus em primeiro lugar sempre - "Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas."  (Mateus 6 : 33)

Acostumados a situação capitalista às vezes tentamos vender até mesmo a Deus a nossa própria imagem como o personagem da parábola abaixo transcrita:

Dois homens subiram ao templo, para orar; um, fariseu, e o outro, publicano.
O fariseu, estando em pé, orava consigo desta maneira:
- Ó Deus, graças te dou porque não sou como os demais homens, roubadores, injustos e adúlteros; nem ainda como este publicano. Jejuo duas vezes na semana, e dou os dízimos de tudo quanto possuo.
O publicano, porém, estando em pé, de longe, nem ainda queria levantar os olhos ao céu, mas batia no peito, dizendo:
- Ó Deus, tem misericórdia de mim, pecador!
Digo-vos que este desceu justificado para sua casa, e não aquele; porque qualquer que a si mesmo se exalta será humilhado, e qualquer que a si mesmo se humilha será exaltado. Lucas 18. 10-14

Pastor Tito Mendes

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Eu sou batista


Por isso preciso clamar bem alto às nações para que voltem-se ao Evangelho,
Mas não preciso gritar a Deus, pois ouve o meu coração quebrantado, como ouviu a Oração de Ana.

Eu sou batista,

Por isso preciso falar uma língua, estranha para o mundo que nos cerca, mas compreensível àquele que necessita da misericórdia e da graça Divina, a língua do amor.
Não preciso falar línguas estranhas ininteligíveis, nem pedir tal coisa, pois o verdadeiro “Dom do Espírito é dado a cada um como Ele quer”, e “para o que for útil”.

Eu sou batista,

Por isso necessito profetizar, permitindo que o Espírito ilumine a Palavra Revelada de Deus contida nas Sagradas Escrituras.
Não tenho necessidade de “dar” nenhuma “revelação”, pois toda a Revelação já foi dada por Deus em Sua Palavra.

Eu sou batista,

Por isso eu oro em meu quarto, único lugar onde Cristo nos mandou orar, e a oração que faço em secreto em meu quarto é ouvida por Deus, que me abençoa, conforme Sua Soberana Vontade.
Não preciso subir o monte, para estar mais perto de Deus, pois Ele está em toda a parte, nem para ter mais poder, pois o real poder vem de um relacionamento genuíno com o Pai.

Eu sou batista,

Por isso prospero em conhecer a Palavra, praticá-la em minha vida, e em pregar as Boas Novas do arrependimento para perdão dos pecados e Salvação eterna.
Não preciso oferecer a riqueza e a prosperidade corruptível e temporã, cujas traças e ferrugem corroem e ladrões minam e roubam, e nem o próprio Jesus as recomendaram.

Eu sou batista,

Por isso determino ao meu coração trilhar o caminho da humildade, reconhecendo minha pequenez diante do Deus Soberano.
Não devo ousar determinar a Deus qualquer coisa, pois como pode a criatura limitada e imperfeita, dizer ao Todo Poderoso o que deve fazer?

Eu sou batista,

Por isso não preciso imitar os costumes do mundo, nem as ondas da evolução das práticas pentecostais, nem sua “soberba espiritual”, ou qualquer coisa que venha de lá.
Preciso sim imitar o Mestre Jesus, sua simplicidade, sua humildade, seu caráter simples, sua indignação diante do pecado, sua inconformidade diante da soberba humana, e sua disposição para pregar o Verdadeiro e Único Evangelho,

Por isso eu sou batista.

Pr. Tito Mendes